14.13 Sampaio: Cronologia contextual

Apêndice 1

Cronologia portuguesa

1806-1882

 

1806

Maio: Inglaterra decreta o bloqueio marítimo contra a França.

Julho: Nasce António Rodrigues Sampaio em São Bartolomeu do Mar, Esposende, no dia 25.

Novembro: França decreta bloqueio dos portos continentais contra a Inglaterra.

 

1807

Outubro: Apesar de intimado por Napoleão, o regente, o futuro D. João VI, recusa-se a aderir ao bloqueio continental. França e Espanha assinam o Tratado de Fontainebleau, que prevê a invasão de Portugal.

Portugal celebra um acordo secreto com a Inglaterra de assistência em caso de invasão napoleónica.

Forças britânicas ocupam a Madeira.

Novembro: Forças francesas, comandadas por Junot, invadem Portugal, atingindo rapidamente Abrantes. O regente aconselha os portugueses a não resistirem. Com apoio britânico, a Família Real e a Corte embarcam para o Brasil. No dia 30, Junot entra em Lisboa, a tempo de ver levantar pano os últimos navios da armada anglo-portuguesa, que partia para o Brasil. O país empobrece extraordinariamente, sujeito a um saque inaudito e a uma forte repressão pelas forças francesas, mas as ideias revolucionárias e liberais penetram decisivamente na Península Ibérica. Vários portugueses e espanhóis (os afrancesados) apoiam os franceses e fazem planos para tornarem Junot Rei de Portugal. Emigração de intelectuais liberais para Inglaterra.

 

1808

Janeiro: D. João decreta a abertura dos portos do Brasil às nações amigas, nomeadamente a Inglaterra.

Março: A Família Real chega ao Rio de Janeiro, que se torna capital de Portugal.

Maio: Portugal declara guerra à França. Revoltas populares em Espanha contra os franceses.

Junho: Revoltas populares em Portugal contra os invasores franceses.

Agosto: Força expedicionária britânica, de 8800 homens, comandada por Wellesley, futuro duque de Wellington, desembarca em Portugal.

O exército francês é derrotado pelas forças luso-britânicas nas batalhas da Roliça e do Vimeiro.

Setembro: Franceses abandonam Portugal.

Criação do Banco do Brasil.

Exilados portugueses em Inglaterra mandam jornais para Portugal, inaugurando um surto de expansão das ideias liberais. São exemplos desses jornais O Correio Braziliense ou Armazém Literário, de Hipólito José da Costa, O Campeão Português ou O Amigo do Rei e do Povo ou ainda O Investigador Português em Inglaterra.

Publicação da Gazeta do Rio de Janeiro.

 

1809

Março: Segunda invasão francesa, a partir de Chaves. Comandado por Soult, o exército francês marcha para Braga. O general Freire de Andrade, que queria abandonar esta cidade para se refugiar no Porto e preparar a sua defesa, é assassinado por bracarenses em fúria. Os franceses ocupam Braga e o Porto. Na sua ânsia de fugirem aos invasores, muitos portuenses afogam-se no rio Douro quando tentavam chegar à margem Sul e a Ponte das Barcas cede.

Maio: Retirada francesa. O primeiro diário português inicia a sua publicação (Diário Lisbonense). Seguem-se-lhe outros, como a Gazeta de Lisboa e O Correio da Tarde.

 

1810

Fevereiro: Portugal e Inglaterra celebram um tratado de aliança e comércio.

Agosto: Terceira invasão francesa. Massena penetra pelas Beiras.

Setembro: Os franceses, embora derrotados pelas forças luso-britânicas na batalha do Buçaco, rumam a Lisboa, mas esbarram com a linha de fortificações de Torres Vedras, que se revela intransponível. Portugueses praticam política de terra queimada. A fome grassa no país, mas os invasores também têm dificuldades em sustentarem o seu exército. Massena refugia-se em Santarém. Dias 10 e 11 de Setembro, vários afrancesados e liberais são presos, em Lisboa, e obrigados a exilarem-se na Terceira e, depois, em Inglaterra (Setembrizada).

 

1811

Maio: Franceses abandonam definitivamente Portugal.

 

1812

Primeiro pedido de regresso da Família Real a Portugal.

 

1814

Maio: Tratado de Paris – vencido Napoleão, os aliados, incluindo Portugal, assinam a paz com a França. Alguns dos afrancesados e liberais exilados na Setembrizada são autorizados a regressarem a Portugal.

 

1815

Dezembro: O Brasil é elevado à condição de Reino. O Rio de Janeiro é capital do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves.

O marechal inglês Beresford é confirmado como líder da Junta Governativa de Portugal.

 

1816

Março: D. Maria I morre. D. João VI é aclamado Rei.

 

1817

Revolta republicana em Pernambuco.

Tropas portuguesas ocupam Montevideu.

Outubro: Revolta popular em Lisboa contra a governação estrangeira do país. Acusado de conspirar contra Beresford, o general Gomes Freire de Andrade é preso e enforcado, o que causa comoção e revolta no país, que via um estrangeiro à frente dos destinos do Reino sob o beneplácito do Rei.

Introdução da máquina a vapor em Portugal.

 

1818

Janeiro: Manuel Fernandes Tomás, José ferreira Borges e José da Silva Carvalho, entre outros, fundam, no Porto, o grupo do Sinédrio. Aumenta o descontentamento pela permanência do Rei no Brasil.

 

1820

Agosto: Revolução libera, iniciada pelo Sinédrio, começa no Porto. Constitui-se a Junta Provisional do Governo Supremo do Reino.

Setembro: Revolução liberal alastra a Lisboa e forma-se uma Junta governativa única. No Brasil, ocorrem motins de apoio à revolução liberal.

Novembro: Revolta da Martinhada contra a governação da Junta concilia numa aliança contranatura liberais exaltados que queriam a adopção da Constituição de Cádis (espanhola) e políticos antiliberais. A revolta é sufocada numa semana.

Dezembro: Primeiras eleições em Portugal.

 

 

1821

Janeiro: Cortes gerais e extraordinárias da Nação, convocadas pela primeira vez desde 1689.

Extinção do Tribunal do Santo Ofício e da censura prévia.

Criado o primeiro banco português, o Banco de Lisboa.

No Rio de Janeiro ocorrem motins a favor da adopção de uma nova Constituição.

Março: D. João VI abandona o Rio de Janeiro e dirige-se a Portugal, correspondendo ao pedido das Cortes. D. Pedro é nomeado regente do Brasil.

A liberdade de imprensa permite o surto de criação de jornais panfletários, uns de pendor liberal, como O Astro da Lusitânia, e outros de pendor absolutista, como a Gazeta Universal, o Braz Corcunda e o Trombeta Lusitana. O trauliteiro padre José Agostinho de Macedo, campeão do absolutismo, inaugura a reflexão crítica sistemática ao jornalismo português, com a publicação de folhas volantes como Exorcismo Contra Periódicos e Outros Malefícios, Cordão da Peste e Reforço ao Cordão da Peste.

No Brasil, surgem jornais de inspiração independentista, como o Revérbero Constitucional Fluminense.

António Rodrigues Sampaio toma ordens menores.

 

1822

Setembro: O Brasil, pela mão de D. Pedro, torna-se independente.

É concluída e assinada pelos deputados a primeira Constituição Política da Monarquia Portuguesa.

Outubro: D. João VI jura a Constituição. A Rainha recusa-se e é afastada da Corte.

 

1823

Fevereiro: O conde de Amarante inicia, em Trás-os-Montes, um movimento antiliberal.

Tratado de paz entre Portugal e o Brasil.

Maio: Golpe da Vilafrancada: o infante D. Miguel lidera um exército anticonstitucionalista e antiliberal. D. João VI, pressionado, acaba por aderir ao movimento e, em Junho, ordena a dissolução das Cortes.

 

1824

Abril: Golpe da Abrilada, liderado pelo infante D. Miguel contra o seu pai, D. João VI. Perseguições e aprisionamento de liberais.

Maio: Insucesso da Abrilada. D. Miguel exila-se em Viena de Áustria.

Revogação da Lei dos Forais. A extinção dos forais durará até 1846.

 

1825

Reconhecimento da independência do Brasil.

Fundação das Escolas Régias de Cirurgia de Lisboa e Porto.

António Rodrigues Sampaio conclui, em Braga, o curso de Humanidades.

 

1826

Março: D. João VI adoece gravemente e nomeia regente a infanta D. Isabel Maria. Morte de S. M. o Rei D. João VI. O Conselho da Regência reconhece D. Pedro I do Brasil como Rei. D. Pedro I do Brasil aclamado Rei de Portugal, como D. Pedro IV. D. Pedro IV confirma a regência de D. Isabel Maria.

Abril: D. Pedro IV outorga a Carta Constitucional ao Reino, mais conservadora do que a Constituição de 1822, e abdica do Trono em favor da filha, D. Maria II, conservando a regência.

Julho: Juramento da Carta Constitucional.

Convocação de Cortes.

Outubro: D. Miguel jura a Carta Constitucional e casa, por procuração, com a sobrinha, D. Maria II.

Surge O Periódico dos Pobres, primeiro jornal popular de baixo preço português.

 

1827

D. Pedro entrega a regência do Reino ao seu irmão, D. Miguel.

 

1828

Fevereiro: D. Miguel regressa a Portugal, rejeita o casamento com D. Maria II e faz-se aclamar Rei absoluto. Constituição de um governo antiliberal. O cerceamento da liberdade de imprensa permite, em exclusivo, a publicação de jornais absolutistas, como A Besta Esfolada, O Desengano, O Cacete, A Defesa de Portugal, A Contra Mina e O Mastigoforo.

Junho: Belfastada: Forças liberais, capitaneadas por Saldanha e Palmela, desembarcam no Porto, mas são derrotadas. Início do Terror miguelista, marcado por várias execuções. Novo exílio dos liberais que conseguem escapar aos miguelistas, em Espanha, França e Inglaterra. Vários jornais liberais são publicados no exterior, como O Português Emigrado. Publicações de cariz liberal continuaram a surgir nas ilhas atlânticas (Crónica Terceira, nos Açores; O Defensor da Liberdade, na Madeira), controladas pelos liberais. Essas publicações circulam clandestinamente no Portugal amordaçado e digladiam-se verbalmente com os jornais pró-absolutistas.

Setembro: D. Maria II parte para Inglaterra.

Novembro: Prisão de António Rodrigues Sampaio, no dia 1.

 

1830

Formado na ilha Terceira, nos Açores, um Governo provisório liberal, chefiado por Palmela.

 

1831

Abril: D. Pedro I abdica do Trono do Brasil a favor de seu filho, D. Pedro II do Brasil, e embarca para desencadear a guerra contra seu irmão, D. Miguel, e repor a sua filha no Trono.

Sufocadas pequenas revoltas liberais em Portugal. Alexandre Herculano é um dos liberais que abandona o país.

 

1832

Fevereiro: D. Pedro, nos Açores, assume a regência do Reino, em nome da sua filha, D. Maria II.

Março: Governo liberal formado nos Açores integra Mouzinho da Silveira, Palmela e Agostinho José Freire, entre outros.

Julho: O exército liberal desembarca um pouco a Norte do Porto e entra, sem resistência, na cidade, que é cercada pelas forças miguelistas. Começa a guerra civil.

O Governo liberal decreta a abolição dos pequenos morgadios, dos forais e dos impostos do dízimo e das sisas e reorganiza as Finanças, a Justiça e a divisão administrativa do Reino.

António Rodrigues Sampaio alista-se no Regimento de Voluntários da Rainha e combate os miguelistas durante o cerco do Porto. Permanecerá nas fileiras liberais até ao final da guerra civil.

Agosto: Liberais derrotados em Souto Redondo, perto de Arouca.

 

1833

Cercados no Porto, os liberais engendram um plano arrojado: desguarnecem a cidade e enviam uma armada, comandada pelo conde de Vila Flor, futuro duque da Terceira, para o Algarve, começando a atacar o exército miguelista pelo sul. Em Julho, derrotam a esquadra miguelista perto do cabo de São Vicente.

Julho: O exército liberal atravessa o Alentejo, vence as poucas tropas miguelistas que o enfrentam na Cova da Piedade e ocupa Lisboa. Saldanha vence os miguelistas em Leiria e Torres Novas. D. Pedro desembarca em Lisboa.

Agosto: Levantado o cerco do Porto.

D. Pedro adopta o Código Comercial de Ferreira Borges, redigido por este durante os anos de exílio.

 

1834

Fevereiro: Saldanha vence os miguelistas em Almoster.

Abril: Celebração do tratado anti-absolutista da Quádrupla Aliança entre Portugal, representado por D. Pedro, Espanha, França e Inglaterra.

Maio: Miguelistas derrotados na Asseiceira, perto de Tomar, pelo duque da Terceira. D. Miguel rende-se e parte para o seu exílio definitivo em Viena de Áustria (convenção de Évora-Monte), mas bandos miguelistas organizam-se um pouco por todo o país, em especial no Norte. Portugal entra no período da Monarquia Constitucional, que vigorará até à implantação da República, em 1910.

Setembro: Morte de D. Pedro. Início do reinado, de facto, de D. Maria II. Pedro de Sousa Holstein, Duque de Palmela, assume a presidência do Ministério, dia 24.

Extinção das ordens religiosas e nacionalização dos seus bens, muitos deles vendidos, depois, em hasta pública, em benefício exclusivo dos liberais endinheirados.

Nova Lei de Imprensa abole a censura prévia e permite novo surto de expansão do jornalismo em Portugal. Surgirão jornais como O Procurador dos Povos, A Lança (antecessor do Revolução de Setembro) e O Atleta.

Fundação das Associações Comerciais de Lisboa e Porto.

Obrigatoriedade da frequência do ensino básico.

António Rodrigues Sampaio começa a colaborar no jornal portuense A Vedeta da Liberdade e inicia-se na Maçonaria.

 

1835

Maio: Governo de Vitório de Andrade Barbosa, conde de Linhares (dia 4). Governo do marechal duque de Saldanha, cartista (dia 27).

Novembro: Governo de José Jorge Loureiro (dia 18).

 

1836

Dissolução da Câmara dos Deputados, em conflito com o Governo. Marcação de eleições.

Oposição anti-cartista e constitucionalista (adepta da Constituição de 1822) organiza-se no Porto, liderada pelos irmãos José e Manuel Passos (Passos Manuel).

Abril: Governo do duque da Terceira, cartista (dia 20).

Setembro: Estala a revolução setembrista em Lisboa. Governo do conde de Lumiares, setembrista (dia 10).

A Constituição de 1822 é restabelecida e a Carta Constitucional abolida.

O Governo setembrista reforma o ensino e cria os liceus, as Academias Reais de Belas-Artes, as Escolas Médico-Cirúrgicas de Lisboa e Porto, as Escolas de Farmácia e o Conservatório de Música.

António Rodrigues Sampaio casa com Maria Barbosa Soares de Brito, que falecerá em 1841. A 19 de Setembro, é nomeado secretário-geral do Governo Civil de Bragança.

Novembro: Golpe cartista da Belenzada. Governo cartista do conde de Vimioso, por dois dias (4 e 5 de Novembro), que ficou conhecido por Governo da Belenzada. Um dos seus instigadores do golpe, Agostinho José Freire, é morto em Lisboa, perto de Belém. Cartistas e constitucionalistas aceitam uma solução de compromisso: convocação de Cortes Constituintes. Governo do marquês de Sá da Bandeira, setembrista (dia 5).

Publicado o Código Administrativo de Passos Manuel, que divide o país em distritos, concelhos e freguesias, solução que vigora até hoje.

Dezembro: Proibição do tráfico de escravos em todas as possessões portuguesas a Sul do Equador.

 

1837

Janeiro: Cortes Constituintes entram em funções.

Governo setembrista pratica uma política proteccionista para fazer face à crise comercial e financeira.

Maio: Sufocada conspiração miguelista das Marnotas.

Junho: Governo setembrista de António Dias de Oliveira (dia 2).

Julho: Revolta dos Marechais contra o Governo setembrista, encabeçada por Saldanha, com o apoio do duque da Terceira e de Mouzinho de Albuquerque. Terminará em Setembro.

Agosto: Governo setembrista do marquês de Sá da Bandeira (dia 2).

Setembro: Início da publicação de O Panorama, importante periódico destinado à ilustração do público, dirigido por Alexandre Herculano.

 

1838

Março: Terminam os trabalhos das Cortes Constituintes. Publicação e juramento da Constituição de 1838, similar à de 1822.

Primeira Exposição Industrial Portuguesa.

Fundação da primeira organização operária portuguesa, a Sociedade dos Artistas Lisbonenses.

Massacre de milícias populares em Lisboa, no Rossio.

Abril: A Rainha D. Maria II jura a nova Constituição.

Agosto: Fuzilado José de Sousa Reis, que liderava, no Algarve, a Guerrilha do Remexido, de inspiração miguelista. Tinha sido capturado em Julho.

 

1839

Abril: Queda do Governo setembrista. O barão de Ribeira de Sabrosa assume a presidência de um Governo de iniciativa régia (dia 18 de Abril).

Novembro: Governo de iniciativa régia do conde do Bonfim.

Ascensão de Costa Cabral, que assume o Ministério da Justiça.

António Rodrigues Sampaio toma posse do cargo de administrador-geral (cargo futuramente designado por governador civil) do distrito de Castelo Branco.

 

1840

Junho: Fundado por José Estêvão e Manuel José Mendes Leite, iniciou-se, no dia 2, a publicação de A Revolução de Setembro. António Rodrigues Sampaio, entretanto demitido do cargo que exercia em Castelo Branco, junta-se à redacção.

Fundação da fábrica de papel do Tojal.

Início da colonização de Moçâmedes.

 

1841

Julho: Governo de Joaquim António de Aguiar (dia 9).

 

1842

Janeiro/Fevereiro: Golpe de Estado de Costa Cabral. Restauração da Carta Constitucional de 1826.

Fevereiro: Governo cartista do duque de Palmela, por dois dias (7 a 9 de Fevereiro). Ficou conhecido por Governo do Entrudo. Governo cartista de tendência cabralista de Costa Cabral (dia 9), formalmente presidido pelo duque da Terceira.

Limitações à liberdade de imprensa.

Promulgação de um novo Código Administrativo.

Tratado anti-esclavagista com a Inglaterra.

Março: Pela primeira vez, no dia 13, uma gravura feita a partir de fotografia é publicada na imprensa portuguesa, tendo surgido no Panorama.

 

1843

Viagens de exploração ao interior de Angola.

 

1844

Fevereiro: Revolta setembrista de Torres Vedras, na qual participa José Estêvão. Durará até Abril.

Abril: Setembristas de Torres Vedras rendem-se. José Estêvão exila-se e António Rodrigues Sampaio assume o cargo de redactor principal do jornal Revolução de Setembro.

Agudizam-se as perseguições à imprensa anticabralista, em particular ao Revolução.

Criação, por Costa Cabral, da Companhia dos Tabacos, do Sabão e das Pólvoras, Companhia das Obras Públicas e Companhia das Estradas do Minho.

Reforma do ensino.

 

1846

Crise financeira provocada pelo aumento vertiginoso da dívida pública do Estado.

Fusão do Banco de Lisboa com a Companhia Confiança Nacional dá origem ao Banco de Portugal.

Macau é transformado em porto livre, mas o comércio de escravos constitui o grosso das transacções.

Abril: Começa, em Vieira do Minho, a revolta da Maria da Fonte, que, embora de inspiração miguelista, é aproveitada pelos setembristas (constitucionalistas) na sua luta contra os cabralistas (cartistas). Organização de Juntas Provisórias de inspiração setembrista nas principais cidades e vilas do país.

Maio: Prisão de António Rodrigues Sampaio. Demissão de Costa Cabral em consequência da Maria da Fonte (dia 20). O duque de Palmela assume a liderança do Governo, no qual participam, entre outros, Sá da Bandeira e Silva Sanches. São marcadas eleições para Outubro. António Rodrigues Sampaio é solto.

Outubro: Golpe da Emboscada (dia 6), com a conivência de D. Maria II. Palmela forçado a demitir-se. Formação de um novo Governo cartista de tendência cabralista, embora sem Cabrais, liderado pelo marechal duque de Saldanha. José Passos desencadeia, no Porto, a Patuleia. Guerra civil.

Novembro: Forças patuleias ocupam Santarém.

Dezembro: Saldanha derrota as forças patuleias em Torres Vedras.

Alexandre Herculano começa a lançar a sua História de Portugal, numa tarefa que se estenderá até 1853.

António Rodrigues Sampaio lança, com outros, O Estado da Questão, panfleto anticabralista, e, sucessivamente, em Dezembro, os periódicos clandestinos O Eco de Santarém e O Espectro.

 

1847

Janeiro a Maio: Convergência contranatura entre miguelistas e setembristas contra os cartistas (cabralistas e saldanhistas) provoca desagrado em Inglaterra, França e Espanha, que, no âmbito da Quádrupla Aliança, ponderam intervir em Portugal, para evitar o regresso ao absolutismo e manter a Monarquia liberal, encarnada por D. Maria II.

Março: Numa repetição da estratégia das guerras liberais, Sá da Bandeira embarca tropas no Porto, desembarca-as no Sul do país, em Lagos, e progride para Norte, com intenção de atingir Lisboa, mas somente consegue avançar até Setúbal.

Maio: Intervenção militar estrangeira.

Junho: Convenção de Gramido e fim da Patuleia. Forma-se um Governo provisório, cuja missão principal seria preparar eleições.

Julho: O Espectro cessa a publicação, no dia 13.

Agosto: dia 2, o Revolução de Setembro regressa às bancas, com António Rodrigues Sampaio no comando.

Os navios ingleses são autorizados a aportar em Moçambique.

Dezembro: Eleições dão a maioria parlamentar aos cabralistas.

 

1848

Reabertura das Cortes, com uma maioria cabralista.

Surgem, pela primeira vez, jornais republicanos em Portugal. A República é o primeiro. Têm existência efémera.

Primeiro estúdio fotográfico inaugurado em Lisboa.

 

1849

Junho: Governo cartista de tendência cabralista de Costa Cabral (dia 19).

O Governo de Costa Cabral dinamiza a criação de estradas macadamizadas.

 

1850

Agosto: No dia 3, é promulgada a “lei das Rolhas”, cerceadora da liberdade de imprensa.

Os intelectuais protestam contra a “Lei das Rolhas”, mas, sintoma do crescimento e importância do operariado urbano, surge o jornal O Eco dos Operários.

 

1851

Abril/Maio: Revolta contra Costa Cabral conduzida por Saldanha. Cabral abandona o país. Regeneração e primeira fase do Rotativismo (os dois principais partidos vão alternar-se no poder). Liberdade de imprensa.

Abril: Governo regenerador do duque da Terceira (26 de Abril a 1 de Maio).

Maio: Governo regenerador do marechal duque de Saldanha (dia 1).

Julho: Alexandre Herculano, reserva moral da Nação, recusa a pasta do Reino e funda o jornal O País.

Novembro: Eleições gerais. António Rodrigues Sampaio é eleito deputado pelos círculos de Barcelos e de Lisboa, optando por representar este último.

 

1852

Fundação do Partido Histórico, agrupando os partidários do duque de Loulé e, em geral, os adversários dos regeneradores. Alternará no poder com os regeneradores até 1876, ano em que se funde com o Partido Reformista, dando origem ao Partido Progressista.

Fontes Pereira de Melo aceita tutelar o Ministério das Obras Públicas, Comércio e Indústria. São lançadas as bases do Fontismo. Almeida Garrett aceita o cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros.

Fontes Pereira de Melo lança o ensino técnico. Fundação do Instituto de Agronomia e do Instituto Industrial.

Primeira Exposição Agrícola Portuguesa.

Julho: Acto adicional à Carta Constitucional prevê a eleição directa dos deputados, o alargamento do universo eleitoral e a abolição da pena de morte para crimes políticos.

Dezembro: Eleições gerais. António Rodrigues Sampaio, reeleito deputado por Barcelos e Lisboa, continua a representar este último círculo.

António Rodrigues Sampaio torna-se grão-mestre da Confederação Maçónica e funda, tornando-se seu primeiro presidente, o Centro Promotor dos Melhoramentos das Classes Laboriosas.

 

1853

Inicia-se a utilização de selos de correio em Portugal.

Fontes Pereira de Melo começa a construir linhas-férreas, uma de Lisboa para Norte e outra de Lisboa até à fronteira espanhola. No comércio externo, adopta-se uma política livre-cambista.

Novembro: Morre S. M. a Rainha D. Maria II. Devido à menoridade de D. Pedro V, o Rei consorte de D. Maria II, D. Fernando, assume a regência em nome do filho.

 

1854

Inauguração do telégrafo em Portugal.

Lei concede liberdade aos escravos do Estado e aos escravos importados por via terrestre.

Elias Garcia funda O Trabalho, jornal de inspiração socialista e republicana.

Fundação de O Comércio do Porto, que se transformará, a partir de 1865, num jornal noticioso de informação geral.

 

1855

Maio: Sucesso das armas portuguesas em Angola, em Ambriz.

Setembro: S. M. D. Pedro V aclamado Rei, ao perfazer 18 anos. Um dos seus primeiros actos foi colocar à porta do Palácio Real uma caixa verde, da qual somente ele tinha a chave, onde o povo podia colocar correspondência dirigida ao Soberano.

Exposição industrial.

 

1856

Inauguração do troço Lisboa-Carregado da linha-férrea do Norte.

Início do serviço regular de malaposta entre Lisboa e Porto.

Lei concede liberdade aos escravos que desembarquem no continente, ilhas adjacentes, Índia e Macau.

Epidemia de cólera.

Junho: Governo do Partido Histórico, do duque de Loulé (dia 6).

Julho: Fim da legislatura, no dia 19.

Novembro: Eleições gerais. António Rodrigues Sampaio é reeleito deputado pelo círculo de Lisboa.

 

1857

Epidemia de febre-amarela.

Exposição Industrial no Porto.

Criação de uma colónia militar agrícola em Huíla.

Novembro: Captura do navio francês Charles et Georges, com uma carga de escravos, em Moçambique, detona uma crise diplomática entre Portugal e a França.

Início da publicação do jornal ilustrado Arquivo Pitoresco.

 

1858

Início das primeiras carreiras regulares a vapor entre Portugal e Angola.

Maio: Eleições gerais. António Rodrigues Sampaio é eleito deputado pelo círculo de Goa.

Fontes Pereira de Melo assume a liderança do Partido Regenerador.

Projecto-lei de Sá da Bandeira para a abolição da escravatura.

 

1859

Março: Governo do Partido Regenerador, chefiado pelo duque da Terceira (dia 16).

Adopção do sistema métrico.

Fontes Pereira de Melo cria a Direcção-Geral de Instrução e funda o Curso Superior de Letras.

Setembro: No dia 26, António Rodrigues Sampaio é nomeado conselheiro vitalício do Tribunal de Contas.

 

1860

Fundação da Associação Industrial Portuguesa e da Associação da Agricultura Portuguesa.

Janeiro: Eleições gerais. António Rodrigues Sampaio é reeleito deputado, pelo círculo de Aldeia Galega. Não será reeleito nas duas legislaturas seguintes.

Maio: Governo regenerador de Joaquim António de Aguiar (dia 1).

Crise diplomática luso-britânica, provocada pela declaração unilateral inglesa de que a Inglaterra passaria a exercer a soberania a sul da baía de Lourenço Marques, em Moçambique. A fragata britânica Brisk, comandada pelo vice-almirante Keppel, entra na baía de Lourenço Marques.

Julho: Governo do Partido Histórico, chefiado pelo duque de Loulé (dia 4).

 

1861

A via-férrea do Sul passa a ligar o Barreiro a Vendas Novas e Setúbal.

Exposição Industrial Portuguesa.

Fundação do Observatório Astronómico de Lisboa.

Novembro: No dia 11, o jovem mas promissor Rei D. Pedro V morre, tal como os seus irmãos, D. Fernando e D. João, na sequência de uma epidemia de febre tifóide que grassou no país. Não tendo descendência, sucede-lhe o irmão, D. Luís I. Correm rumores de que o Rei teria sido envenenado.

25 de Dezembro: Tumultos populares provocados pelo rumor de envenenamento do amado Rei. São assaltados ministérios e residências de ministros. A Associação Patriótica, movimento da esquerda liberal, exige que sejam tomadas todas as medidas necessárias à protecção da vida de D. Luís I.

 

1862

Tratado de Tien-Tsin entre Portugal e a China.

Fundação do Partido Reformista, em torno de Sá da Bandeira, que rompe com o Partido Histórico. Não resistirá à morte do líder, em 1876. Acabará por se fundir, de novo, com o Partido Histórico, dando origem ao Partido Progressista.

 

1863

Concluída a via-férrea de Setúbal a Évora e ligação a Espanha.

Abolição dos morgadios, com excepção dos da Casa de Bragança.

Feira Agrícola em Braga.

Exposição Industrial Têxtil.

 

1864

Concluída a ligação por caminho-de-ferro entre Lisboa e Vila Nova de Gaia, no Porto, e entre Évora e Beja, a Sul.

Dezembro: Fundação do Diário de Notícias, primeiro jornal noticioso industrial do país, cujas receitas se baseiam essencialmente na publicidade. Saída dos números experimentais (o primeiro, dia 29).

O primeiro censo demográfico revela que Portugal tinha 3 829 618 habitantes, contando Lisboa com 190 mil e o Porto com 80 mil.

 

1865

Publicação regular do Diário de Notícias. O seu êxito promove uma campanha de alguns jornais políticos contra o novo periódico, acusado de abastardar o jornalismo. Mas o modelo noticioso e politicamente independente do DN vinga, permitindo o aparecimento de jornais semelhantes, como, em 1866, o Diário Popular, em Lisboa, e o Jornal de Notícias, no Porto.

Fundação do Banco Nacional Ultramarino e da Companhia União Fabril (CUF).

Abril: Governo reformista do marquês de Sá da Bandeira (dia 17).

Maio: Rebenta a Questão Coimbrã, provocada por uma crítica de Teófilo Braga e de Antero de Quental ao Poema da Mocidade, de Feliciano de Castilho. O movimento de crítica ao Romantismo desemboca num movimento de crítica à Regeneração.

Julho: Eleições gerais. António Rodrigues é novamente eleito deputado, mas pelo círculo de Arganil.

Setembro: Governo de fusão entre regeneradores e históricos, chefiado por Joaquim António de Aguiar (dia 4).

 

1867

Publicação de novos códigos Civil e Administrativo.

Abolição da pena de morte para crimes civis.

Eça de Queirós funda o bissemanário Distrito de Évora.

Portugal participa na Exposição Internacional de Paris.

António Rodrigues Sampaio é eleito vereador da Câmara Municipal de Lisboa, mas não chega a tomar posse, por causa da revolta da Janeirinha, no ano seguinte.

 

1868

Janeiro: Revolta da Janeirinha, no Porto, desencadeada por comerciantes descontentes com a política fiscal, alastra, posteriormente, a Lisboa e ao resto do país. Inicia-se, no Porto, a publicação de O Primeiro de Janeiro.

Fim do Governo de Joaquim António de Aguiar (dia 4).

Governo do duque de Ávila (dia 4).

Março: Eleições gerais. António Rodrigues Sampaio não é eleito.

Julho: Governo reformista do marquês de Sá da Bandeira (dia 22).

Fundação da Companhia das Águas, em Lisboa.

 

1869

Abril: Eleições gerais. António Rodrigues Sampaio também não consegue ser eleito.

Agosto: Governo do Partido Histórico, chefiado pelo duque de Loulé (dia 11).

Abolição da escravatura em todos os territórios portugueses, excepto Macau.

Portugal celebra com a República do Transval um tratado que reconhece a soberania portuguesa em Moçambique.

 

1870

Cabo submarino entre Portugal e Inglaterra.

Março: Eleições gerais. António Rodrigues Sampaio é eleito deputado pelo círculo de Torres Novas para a efémera 18ª legislatura. É eleito presidente da Câmara dos Deputados.

Maio: Golpe de Estado promovido pelo marechal duque de Saldanha. Governo regenerador de Saldanha (dia 19). António Rodrigues Sampaio é nomeado, pela primeira vez, ministro do Reino, no dia 26, mas a 7 de Junho abandonará o cargo, desgostoso com a linha que Saldanha imprimia ao Governo.

Julho: Término da legislatura.

Agosto: Fim do Governo do marechal duque de Saldanha (dia 29). Toma posse o Governo reformista do marquês de Sá da Bandeira (dia 30).

Setembro: Eleições gerais.

Outubro: Governo reformista do duque de Ávila e Bolama (dia 29).

Oliveira Marreca funda a primeira organização republicana portuguesa.

José Fontana, Azevedo Gneco, Antero de Quental e Oliveira Martins fundam uma organização socialista.

Eça de Queirós e Ramalho Ortigão escrevem O Mistério da Serra de Sintra, primeiro arremedo de romance policial e de mistério português, sob a forma de folhetim.

 

1871

Ramalho Ortigão e Eça de Queirós iniciam a publicação do periódico satírico As Farpas.

Antero de Quental lança Causas da Decadência dos Povos Peninsulares.

Maio: Por iniciativa do grupo do Cenáculo, começam as Conferências do Casino Lisbonense, que se propunham “estudar as condições de transformação política, económica e religiosa da sociedade portuguesa”. As conferências causam polémica e são proibidas em Junho. António Rodrigues Sampaio apoia a proibição.

Fundação da Associação Protectora do Trabalho, socialista.

Julho: Eleições gerais. António Rodrigues Sampaio é eleito deputado por Torres Novas.

Setembro: No dia 13, António Rodrigues Sampaio é empossado, pela segunda vez, ministro do Reino, num Governo do Partido Regenerador presidido por Fontes Pereira de Melo. Manter-se-á no cargo até 6 de Março de 1877, durante duas legislaturas, em que foi sempre eleito deputado por Torres Novas, em governos regeneradores chefiados por Fontes Pereira de Melo.

 

1872

Primeiro surto de greves em Portugal afecta a indústria tipográfica, têxtil, tabaqueira e metalúrgica.

José Fontana funda a Associação Fraternidade Operária, socialista, secção portuguesa da 1ª Internacional.

Campanha militar contra os Dembos, em Angola.

 

1873

Fundação do Centro Republicano Federal.

Novo surto grevista.

Via-férrea até Estremoz.

 

1874

Abolição do comércio de escravos em Macau. Esclavagismo integralmente abolido na totalidade dos territórios portugueses.

Inauguração dos transportes públicos com o aparecimento do carro “Americano”.

 

1875

Fundação do Partido Socialista por Azevedo Gneco e José Fontana. Adesões de Antero de Quental, Nobre França e José Tedeschi, entre outros.

Fundação da Sociedade de Geografia de Lisboa.

Criado por Rafael Bordalo Pinheiro, o Zé-Povinho, caricatura representativa do povo português, surge, pela primeira vez, no jornal satírico A Lanterna Mágica.

Início da publicação da Revista Ocidental, dirigida por Oliveira Martins.

 

1876

Crise económica e financeira.

João de Deus publica a Cartilha Maternal, onde aplica um novo e original método de aprendizagem da leitura e da escrita.

Abril: No dia 3, é fundado o Directório Republicano Democrático, embrião do Partido Republicano.

Setembro: Fusão do Partido Histórico e do Partido Reformista no Partido Progressista, pelo Pacto da Granja.

 

1877

A inauguração da ponte D. Maria Pia, sobre o rio Douro, permite a ligação ferroviária directa entre Lisboa e Porto.

Viagens de exploração de Brito Capelo, Roberto Ivens e Serpa Pinto, em África, com o objectivo último de legitimar possessões portuguesas.

Primeiras linhas telefónicas experimentais instaladas em Portugal.

Março: Fim do Governo de Fontes Pereira de Melo e, por consequência, António Rodrigues Sampaio abandona a tutela do Ministério do Reino. O duque de Ávila e Bolama, reformista, assume a chefia de novo Governo (dia 6).

 

1878

Janeiro: Novo Governo regenerador de Fontes Pereira de Melo toma posse, no dia 26. Inicia-se a segunda fase do Rotativismo.

António Rodrigues Sampaio toma novamente posse do Ministério do Reino. Nesse mesmo ano, elevado ao pariato, ocupa um lugar hereditário na Câmara dos Pares do Reino.

O primeiro deputado republicano, Rodrigues de Freitas, entra para a Câmara.

Primeiras experiências para a iluminação eléctrica de Lisboa.

Dezembro: Tratado luso-britânico regula o comércio com a Índia Portuguesa.

Surge O Ocidente, publicação importante para a expansão da fotografia documental no país, que se editou até 1915.

Fundado o Partido dos Operários Socialistas de Portugal, resultando da fusão do Partido Operário Socialista com sindicalistas da Associação dos Trabalhadores.

Inauguração do Observatório da Tapada da Ajuda.

 

1879

Publicação da História de Portugal e da História da Civilização Ibérica, de Oliveira Martins.

Início da publicação do jornal A Voz do Operário.

Separação administrativa da Guiné e de Cabo verde.

Maio: No dia 29, o Governo fontista cai e é substituído por um Governo do Partido Progressista, liderado por Anselmo José Braamcamp. António Rodrigues Sampaio sai do Governo.

Tratado de Lourenço Marques, celebrado entre Portugal e a Inglaterra, concede privilégios comerciais aos britânicos em Moçambique.

 

1880

Comemorações do tricentenário da morte de Camões são aproveitadas por vários movimentos, incluindo o republicano, para a crítica política.

Fundação, na sequência das comemorações, da Associação de Jornalistas e Escritores Portugueses, em Lisboa, da qual Sampaio é eleito presidente honorário.

Fundação do Ateneu Comercial de Lisboa.

 

1881

Portugal Contemporâneo, de Oliveira Martins.

Fevereiro: Surge, em Lisboa, A Ilustração Universal.

Março: O Governo progressista de Braamcamp cai. Chamado a formar Governo, Fontes Pereira de Melo passa a tarefa a António Rodrigues Sampaio, que, no dia 23, se torna presidente do Ministério (cargo equivalente, hoje, ao de primeiro-ministro).

Inquérito Industrial.

Junho: Fundação do jornal O Século, por um grupo de republicanos.

Surto de greves na indústria têxtil.

Novembro: No dia 14, Fontes Pereira de Melo substitui António Rodrigues Sampaio na presidência do Ministério.

Gomes Leal lança O Renegado – Carta ao Velho Panfletário sobre a Perseguição à Imprensa, o mais acutilante e grave ataque que Sampaio recebeu no fim da vida.

 

1882

Instalação de telefones em Lisboa e no Porto.

Concluídas as linhas de caminho-de-ferro da Beira Alta e do Minho.

Greves de tipógrafos e tabaqueiros.

Setembro: No dia 13, vítima de pneumonia, morre António Rodrigues Sampaio. Consta a lenda que terá revisto, por uma última vez, as provas tipográficas do Revolução de Setembro.


Apêndice 2

Primeiros-ministros de Portugal

1834-1882

 

Nome

Tendência

Mandato

Pedro de Sousa Holstein, duque de Palmela (1º mandato)

Liberal

24 de Setembro de 1834 a 4 de Maio de 1835

 

 

 

Vitório Maria Francisco de Sousa Coutinho Teixeira, 2º conde de Linhares

--

4 de Maio de 1835 a 27 de Maio de 1835

 

 

 

Marechal João Carlos Gregório Domingos Vicente Francisco de Saldanha Oliveira e Daun, duque de Saldanha (1º mandato)

Cartista

27 de Maio de 1835 a 18 de Novembro de 1835

 

 

 

José Jorge Loureiro

--

18 de Novembro de 1835 a 20 de Abril de 1836

 

 

 

António José de Sousa Manuel de Menezes Severim de Noronha, duque da Terceira (1º mandato)

Cartista

20 de Abril de 1836 a 10 de Setembro de 1836

 

 

 

José da Gama Carneiro e Sousa

Setembrista

10 de Setembro de 1836 a 4 de Novembro de 1836

 

 

 

José Bernardino de Portugal e Castro, marquês de Valença e conde do Vimioso (Governo da Belenzada)

Cartista

 

4 a 5 de Novembro de 1836

 

 

 

Bernardo de Sá Nogueira de Figueiredo, marquês de Sá da Bandeira (1º mandato)

Setembrista

5 de Novembro de 1836 a 2 de Junho de 1837

 

 

 

António Dias de Oliveira

Setembrista

2 de Junho de 1837 a 2 de Agosto de 1837

 

 

 

Bernardo de Sá Nogueira de Figueiredo, marquês de Sá da Bandeira (2º mandato)

Setembrista

2 de Agosto de 1837 a 18 de Abril de 1839

 

 

 

Rodrigo de Almeida Carvalhais, barão de Ribeira de Sabrosa

--

18 de Abril de 1839 a 26 de Novembro de 1839

 

 

 

João Travassos Valdez, barão e 1º conde do Bonfim

--

26 de Novembro de 1839 a 9 de Julho de 1841

 

 

 

Joaquim António de Aguiar (1º mandato)

Liberal

9 de Julho de 1841 a 7 de Fevereiro de 1842

 

 

 

Pedro de Sousa Holstein, duque de Palmela (2º mandato – Governo do Entrudo)

Cartista

7 a 9 de Fevereiro de 1842

 

 

 

António Bernardo da Costa Cabral, marquês de Tomar (1º mandato, embora formalmente o presidente do Ministério fosse António José de Sousa Manuel de Menezes Severim de Noronha, duque da Terceira)

Cartista

9 de Fevereiro de 1842 a 20 de Maio de 1846

 

 

 

Pedro de Sousa Holstein, duque de Palmela (3º mandato)

Cartista

20 de Maio de 1846 a 6 de Outubro de 1846

 

 

 

Marechal João Carlos Gregório Domingos Vicente Francisco de Saldanha Oliveira e Daun, duque de Saldanha (2º mandato)

--

6 de Outubro de 1846 a 18 de Junho de 1849

 

 

 

António Bernardo da Costa Cabral (2º mandato)

Cartista

18 de Junho de 1849 a 26 de Abril de 1851

 

 

 

António José de Sousa Manuel de Menezes Severim de Noronha, duque da Terceira (2º mandato)

Regenerador

26 de Abril de 1851 a 1 de Maio de 1851

 

 

 

Marechal João Carlos Gregório Domingos Vicente Francisco de Saldanha Oliveira e Daun, duque de Saldanha (3º mandato)

Regenerador

1 de Maio de 1851 a 6 de Junho de 1856

 

 

 

Nuno José Severo de Mendonça Rolim de Moura Barreto, duque de Loulé (1º mandato)

Histórico

6 de Junho de 1856 a 16 de Março de 1859

 

 

 

António José de Sousa Manuel de Menezes Severim de Noronha, duque da Terceira (3º mandato)

Regenerador

16 de Março de 1859 a 26 de Abril de 1860

 

 

 

Joaquim António de Aguiar (2º mandato)

Regenerador

1 de Maio de 1860 a 4 de Julho de 1860

 

 

 

Nuno José Severo de Mendonça Rolim de Moura Barreto, duque de Loulé (2º mandato)

Histórico

4 de Julho de 1860 a 17 de Abril de 1865

 

 

 

Bernardo de Sá Nogueira de Figueiredo, marquês de Sá da Bandeira (3º mandato)

Reformista

17 de Abril de 1865 a 4 de Setembro de 1865

 

 

 

Joaquim António de Aguiar (3º mandato – Governo “da Fusão”)

Coligação entre Regeneradores e Históricos

4 de Setembro de 1865 a 4 de Janeiro de 1868

 

 

 

António José de Ávila, duque de Ávila e Bolama (1º mandato)

--

4 de Janeiro de 1868 a 22 de Julho de 1868

 

 

 

Bernardo de Sá Nogueira de Figueiredo, marquês de Sá da Bandeira (4º mandato)

Reformista

22 de Julho de 1868 a 11 de Agosto de 1869

 

 

 

Nuno José Severo de Mendonça Rolim de Moura Barreto, duque de Loulé (3º mandato)

Histórico

11 de Agosto de 1869 a 19 de Maio de 1870

 

 

 

Marechal João Carlos Gregório Domingos Vicente Francisco de Saldanha Oliveira e Daun, duque de Saldanha (4º mandato)

Regenerador

19 de Maio de 1870 a 29 de Agosto de 1870

 

 

 

Bernardo de Sá Nogueira de Figueiredo, marquês de Sá da Bandeira (5º mandato)

Reformista

30 de Agosto de 1870 a 29 de Outubro de 1870

 

 

 

António José de Ávila, duque de Ávila e Bolama (2º mandato)

Reformista

29 de Outubro de 1870 a 13 de Setembro de 1871

 

 

 

António Maria de Fontes Pereira de Melo (1º mandato)

Regenerador

13 de Setembro de 1871 a 6 de Março de 1877

 

 

 

António José de Ávila, duque de Ávila e Bolama (3º mandato)

Reformista

6 de Março de 1877 a 26 de Janeiro de 1878

 

 

 

António Maria de Fontes Pereira de Melo (2º mandato)

Regenerador

26 de Janeiro de 1878 a 29 de Maio de 1879

 

 

 

Anselmo José Braamcamp de Almeida Castelo Branco

Progressista

29 de Maio de 1879 a 23 de Março de 1881

 

 

 

António Rodrigues Sampaio

Regenerador

23 de Março de 1881 a 14 de Novembro de 1881

 

 

 

António Maria de Fontes Pereira de Melo (3º mandato)

Regenerador

14 de Novembro de 1881 a 16 de Fevereiro de 1886

 


Apêndice 3

Cronologia internacional – principais eventos

1834-1882

 

1834

Começa a guerra civil em Espanha. D. Carlos, tio da Rainha D. Isabel II, de apenas 4 anos, invoca a Lei Sálica para reclamar o Trono espanhol, detonando as Guerras Carlistas. D. Carlos enfrenta a intervenção de uma aliança entre Portugal, a Inglaterra e a França, apoiantes de D. Isabel II, a pedido do Governo espanhol estabelecido.

Robert Owen forma a central sindical Grand National Consolidated Trades Union, dando sequência a iniciativas semelhantes anteriores. Mas seria mal sucedida.

 

1835

O imperador Francisco I da Áustria morre. Sucede-lhe o filho Fernando I.

A guerra civil prossegue em Espanha. Intervenção militar franco-britânica.

Republicanos franceses comentem um atentado contra o Rei D. Luís Filipe. O Rei sobrevive ao atentado, mas 18 pessoas morrem. Na sequência do atentado, endurecem as leis restritivas da liberdade de imprensa e fazem-se novas leis para tornar mais expedito o julgamento de insurgentes.

Na Florida, os nativos Seminole atacam as tropas norte-americanas, iniciando uma guerra que se prolongará até 1842.

Ditadura de Juan de Rosas na Argentina.

Reforma municipal na Grã-Bretanha impõe eleições para os municípios.

Samuel Colt patenteia o seu revólver.

Fundação do New York Herald.

Abertura do Museu de Cera de Madame Tussaud

 

1836

O Arkansas torna-se o 25º Estado dos EUA.

O Texas declara a independência do México. Após um cerco sanguinário, as tropas mexicanas capturam o forte Alamo, reduto de resistência texana, onde morre um dos heróis míticos da expansão norte-americana – Davy Crockett.

Independência da República do Texas após a derrota dos mexicanos na batalha de San Jacinto.

Boers fundam o Estado Livre de Orange, na África do Sul.

Martin van Buren eleito Presidente dos Estados Unidos.

Federação entre o Peru e a Bolívia.

 

1837

O Michigan torna-se o 26º estado dos EUA.

Especulação causa pânico financeiro nos Estados Unidos.

O Rei William IV do Reino Unido morre. Sucede-lhe a Rainha Vitoria.

Rebeliões de Joseph Papineau e de William Lyon Mackenzie no Canadá. O navio norte-americano Carolina, que fornecia os rebeldes, é apresado pelas autoridades canadianas, causando tensão entre os dois países.

Os boers começam a ocupação de Natal e Zululândia, na África do Sul.

Morse faz demonstrações do seu telégrafo.

 

1838

Sufocada a revolta de Mackenzie no Canadá.

Petição popular em Inglaterra a favor de reformas parlamentares.

Os boers derrotam os zulus na batalha de Blood River.

Tropas francesas ocupam Vera Cruz, no México.

Começa a Primeira Guerra Afegã entre britânicos e afegãos.

O aparecimento do daguerreótipo de Louis Daguerre promove a massificação da fotografia. O invento tinha por inconveniência a irreprodutibilidade das imagens, já que se obtinha um positivo.

Organizada clandestinamente uma via para a fuga de escravos do Sul para o Norte dos Estados Unidos, cujos estados eram anti-esclavagistas.

Abertura das carreiras regulares a vapor entre a Europa e os Estados Unidos.

Abre a National Gallery, em Londres.

 

1839

Rejeição, pelo Parlamento britânico, da petição popular para a introdução de reformas no sistema de eleição parlamentar provoca motins um pouco por toda a Grã-Bretanha.

Começa a Primeira Guerra do Ópio entre a China e o Reino Unido. Os chineses incendeiam ópio britânico. Os britânicos afundam juncos chineses e ocupam Hong Kong.

A Federação Bolívio-Peruana é dissolvida na sequência de uma derrota das suas tropas frente aos chilenos, em Yungay.

Guerra entre o Uruguai e a Argentina.

Retirada francesa do México.

Independência da Bélgica reconhecida pela Holanda. O Tratado de Londres garante a independência belga e a sua perpétua neutralidade.

Independência do Grão-Ducado do Luxemburgo.

Invenção de um método negativo-positivo para a produção de fotografias em papel, por William Fox Talbot. Ao contrário do daguerreótipo, o novo método permite a produção ilimitada de cópias de fotografias a baixo custo, o que populariza ainda mais a fotografia.

 

1840

A Rainha Vitoria casa com o Príncipe Alberto.

O Acto da União une o Canadá.

Fracassa uma tentativa de revolta contra o rei conduzida pelo sobrinho de Napoleão, Luís Napoleão, que viria a reinar em França como Napoleão III.

Termina a Primeira Guerra Afegã.

A Rússia, a Grã-Bretanha, a Áustria e a Prússia unem-se numa guerra contra o Egipto. Forças britânicas capturam Acre e os egípcios evacuam a Síria.

O Tratado de Waitangi entre britânicos e Maoris torna a Nova Zelândia uma colónia britânica.

William Henry Harrison é eleito 9º Presidente dos Estados Unidos.

Charles Darwin publica Zoology of the Voyage of the Beagle.

Introdução dos selos de correio no Reino Unido.

 

1841

Morre o Presidente William Henry Harrison. O vice-presidente John Taylor torna-se o 10º Presidente norte-americano.

Revolta de Dorr no estado norte-americano de Rhode Island contra o sistema de governo.

Massacre de oficiais britânicos em Cabul provoca a Segunda Guerra Afegã.

O Bósforo e o Dardanelos são fechados à navegação de navios de guerra não turcos otomanos.

Disputas comerciais provocam nova guerra entre a China e o Reino Unido.

Fundação da revista britânica Punch.

Fundação do New York Tribune.

 

1842

O Tratado de Ashburton, celebrado entre americanos e britânicos, estabelece a fronteira entre o estado norte-americano do Maine e o Canadá.

Rhode Island recebe uma nova Constituição na sequência da Revolta de Dorr, pondo-lhe termo.

Os Estados Unidos reconhecem a independência do Hawaii.

As tropas britânicas são derrotadas em Cabul e massacradas enquanto retiram do país, mas uma nova ofensiva britânica permite a reocupação da capital afegã, pondo fim à Segunda Guerra Afegã.

Irrompem novas revoltas operárias e populares na Grã-Bretanha, em favor de reformas laborais e eleitorais.

Termina a guerra entre a China e o Reino Unido. Abertura dos portos chineses ao comércio com o estrangeiro. Hong-Kong torna-se um território britânico.

Pela primeira vez, o éter é usado como anestésico durante uma cirurgia.

Proibido o trabalho infantil e feminino nas minas britânicas.

 

1843

Ofensiva militar britânica permite a ocupação da região de Sind, na Índia.

A Gâmbia torna-se uma colónia real britânica.

Rebelião na Grécia contra o Rei Otto I.

Natal, na África do Sul, é declarado colónia real britânica e o Botswana é tornado protectorado britânico.

O Reino Unido é declarado nação mais favorecida num tratado comercial com a China.

Rebelião dos nativos Maori, na Nova Zelândia, detona uma guerra contra as autoridades coloniais britânicas.

 

1844

O Senado norte-americano rejeita uma petição texana para tornar o Texas um estado norte-americano.

Karl XIV da Suécia morre. É sucedido pelo seu filho, Oskar I.

O patriota irlandês Daniel O’Connell é condenado por sedição por advogar a independência irlandesa, mas a Câmara dos Lordes não sanciona a sentença.

Tratado de Wanghsia entre a China e os Estados Unidos garante protecção aos cidadãos americanos na China.

James K. Polk é eleito Presidente dos Estados Unidos.

O telégrafo de Morse é usado pela primeira vez.

O economista James Stuart Mill escreve Unsettled Questions of Political Economy.

 

1845

A Florida torna-se o 27º estado norte-americano e o Texas o 28º.

Discordância entre o México e os Estados Unidos sobre a definição da fronteira dos dois países.

Britânicos triunfam sobre os Sikhs, na Índia, aumentando as suas possessões.

Fome na Irlanda provocada pela falta de batatas.

Nos Estados Unidos, os Mormons começam a migração interna, que terminará em Great Salt Lake.

Friedrich Engels escreve A Condição da Classe Operária em Inglaterra.

 

1846

O Iowa torna-se o 29º estado norte-americano.

Guerra entre os Estados Unidos e o México. O México perde para os Estados Unidos a cidade de Santa Fé e o Novo México.

O Tratado de Oregon entre os Estados Unidos e o Reino Unido estabelece o 49º Paralelo como fronteira entre o Canadá e os Estados Unidos.

 

1847

Os americanos ocupam a Cidade do México.

A Libéria torna-se uma república independente.

Guerra civil na Suíça entre a união dos cantões católicos e o governo central termina com a derrota católica.

Descoberta de ouro na Califórnia provoca uma corrida ao ouro.

O Reino Unido limita a dez horas diárias o horário laboral para crianças e mulheres.

Karl Marx escreve A Pobreza da Filosofia.

Uso do clorofórmio como anestésico.

 

1848

O Tratado de Guadalupe Hidalgo acaba com a guerra entre os Estados Unidos e o México. O México renuncia ao Texas e entrega a Califórnia e o Novo México aos Estados Unidos.

O Wisconsin é reconhecido como 30º estado dos Estados Unido.

Revoluções de cariz republicano e, Berlim, Budapeste, Milão, Nápoles, Roma, Praga, Veneza, Viena e Varsóvia. O papa Pio IX foge de Roma.

Abdicação do Rei D. Luís Filipe, em França. Luís Napoleão Bonaparte torna-se Presidente da Segunda República Francesa.

Novas constituições adoptadas na Áustria, Suíça e Alemanha.

O imperador Fernando I, da Áustria, abdica, sendo sucedido pelo seu filho, Francisco José.

Na África do Sul, os ingleses anexam o Estado Livre de Orange.

Zachary Taylor é eleito Presidente dos Estados Unidos.

Karl Marx e Freidrich Engels publicam o Manifesto Comunista.

John Stuart Mill escreve Os Princípios da Economia Política.

 

1849

Promulgação da nova Constituição da Alemanha. O Trono Imperial é oferecido a Frederico Guilherme IV da Prússia, que levanta objecções.

O líder nacionalista italiano Garibaldi não consegue evitar a entrada de tropas francesas em Roma. Os franceses repõem o Papa Pio IX em Roma.

Os austríacos derrotam os rebeldes piemonteses na batalha de Novara.

O Rei Carlos Alberto da Sardenha e do Piemonte abdica em favor do filho, Victor Emanuel II.

O cerco de Veneza acaba com as revoltas em Itália.

A Dinamarca adopta uma Constituição democrática.

O Reino Unido anexa o Punjab, na Índia.

O Papa Pio IX condena o socialismo e o comunismo.

Amelia Bloomer produz, nos Estados Unidos, calças para as mulheres.

 

1850

O Presidente americano Zachary Taylor morre e o vice-presidente Millard Fillmore torna-se o 13º Presidente dos Estados Unidos.

A Califórnia torna-se o 31º estado norte-americano. Os Estados Unidos comprometem-se a criar futuramente os estados do Utah e do Novo México.

Compromisso Clayton-Bulwer entre os Estados Unidos e o Reino Unido trava as interferências britânicas na América Central. Tacitamente, o Reino Unido reconhece a influência dos Estados Unidos na zona.

Início do estabelecimento de comunicações telegráficas por cabo submarino entre a Europa Continental e o Reino Unido inaugura uma época de mundialização das comunicações.

Primeiras bibliotecas públicas abertas no Reino Unido.

Em França introduzem-se seguros de reforma, destinados a assegurar a sobrevivência na velhice.

 

1851

Luís Napoleão organiza um golpe de Estado e um plebiscito para aprovar uma nova ordem monárquica.

Grande Exposição de Londres.

Fundação do New York Times.

 

1852

Começa o II Império Francês. Luís Napoleão ascende ao Trono Imperial como Napoleão III.

Nova Constituição assegura um governo representativo para a Nova Zelândia.

O Reino Unido reconhece a independência do Transval, na África do Sul.

Começa a Segunda Guerra Birmanesa. O Reino Unido anexa o Sul da Birmânia.

Revolução de Taiping irrompe na China.

Franklin Pierce é eleito Presidente dos Estados Unidos.

A Cabana do Pai Tomás, romance anti-esclavagista de Harriet Beecher Stowe, é publicado em livro, provocando, no Norte dos Estados Unidos, enormes protestos contra a escravatura.

O Museu Victoria and Albert é aberto em Londres.

Fundada a mítica Wells Fargo Company, nos Estados Unidos.

 

1853

O Império Otomano rejeita um pedido russo de protecção para os cristãos. Em resposta, os russos invadem a Moldávia e a Valáquia e destroem uma frota turca em Sinope.

As frotas britânica e francesa juntam-se nos Dardanelos.

O Reino Unido anexa Nagpur, na Índia.

A França anexa a Nova Caledónia.

A taxa sobre a publicidade em jornais é abolida no Reino Unido.

O Reino Unido introduz a vacinação obrigatória.

Abertura da via-férrea entre Nova Iorque e Chicago.

 

1854

Começa a Guerra da Crimeia. Britânicos e franceses aliam-se à Turquia contra a Rússia e desembarcam na Crimeia, derrotando os russos em Alma, Balaclava (carga da Brigada Ligeira) e Inkerman.

Os Estados Unidos celebram um acordo comercial com o Japão.

Criados os territórios do Kansas e do Nebrasca, nos Estados Unidos, no meio da controvérsia sobre se a escravatura deveria, ou não, ser permitida nos mesmos.

Fundação do Partido Republicano, nos Estados Unidos.

Pelo Manifesto de Ostend, os Estados Unidos afirmam o seu propósito de subtrair Cuba a Espanha pela força no caso de os espanhóis recusarem a venda da ilha aos americanos.

Na África do Sul, o Estado Livre de Orange declara a independência.

Demonstração de um elevador na Feira de Nova Iorque.

O dogma da Imaculada Conceição é proclamado pelo Papa Pio IX.

Florence Nightingale funda a enfermagem moderna ao assistir as vítimas dos combates na Crimeia.

 

1855

O czar Nicolau I da Rússia morre e é sucedido pelo seu filho Alexandre II.

Os russos capitulam em Sebastopol perante as forças turco-franco-britânicas.

A Suécia junta-se à aliança anti-russa formada por franceses, britânicos e turcos.

Fim da revolta de Taiping, na China.

A Áustria ameaça declarar guerra à Rússia.

David Livingstone descobre as cataratas de Victoria, no rio Zambeze.

Abolidas as “taxas sobre o conhecimento” no Reino Unido, imposto sobre os jornais calculado em função do número de páginas.

Fundação do Daily Telegraph, em Londres.

Exposição Internacional em Paris.

 

1856

Anti-esclavagistas liderados por John Brown assassinam cinco pró-esclavagistas em Pottawatomic Creek, durante a Guerra Sangrenta do Kansas, conflito que opôs esclavagistas a anti-esclavagistas.

O Tratado de Paris põe fim à Guerra da Crimeia. O Mar Negro passa a ser considerado zona neutral e o rio Danúbio é reaberto à navegação internacional. A Rússia cede a Bessarábia.

O Reino Unido declara guerra à China após piratas chineses abordarem um navio britânico. A cidade de Cantão é fortificada.

O primeiro esqueleto de um homem de Neandertal é descoberto na Alemanha.

Fundação da Harper’s Weekly.

 

1857

James Buchanan torna-se Presidente dos Estados Unidos.

Pânico financeiro nos Estados Unidos por causa da especulação e do sobreaquecimento da economia. Vários países europeus, entre os quais Portugal, sofrem uma crise semelhante por causa do sobre-endividamento provocado pelos investimentos massivos na construção de ferrovias.

Motim de soldados indianos contra os oficiais ingleses, na Índia. Os britânicos reocupam Deli.

Os britânicos destroem uma frota chinesa e tomam Cantão.

Giuseppe Garibaldi forma a Associação Nacional Italiana.

O Estado do Transval é formalmente proclamado na África do Sul.

Divórcio autorizado no Reino Unido. Instituem-se tribunais especiais para os casos de divórcio.

 

1858

O Minnesota torna-se o 32º estado norte-americano.

A Columbia Britânica é transformada em colónia.

Ottawa é designada capital do Canadá.

Os britânicos controlam os motins na Índia e pacificam o país. O poder transita da Companhia das Índias Orientais para a Coroa britânica.

A guerra sino-britânica termina com o Tratado de Tientsin. Em consequência, o comércio do ópio é legalizado e os portos chineses são abertos ao comércio internacional.

Napoleão III e o estadista italiano Camillo Cavour planeiam a unificação de Itália.

O maior navio a vapor até então construído, o Great Eastern, é lançado ao mar no Reino Unido.

Bernadette Subirous reclama ter tido uma visão da Virgem Maria, em Lourdes.

Fundada a Companhia do Canal do Suez.

 

1859

O anti-esclavagista John Brown lidera um ataque abortado contra um arsenal militar em Harper’s Ferry, na Virgínia Ocidental. Detido, é executado.

O Oregon torna-se no 33º estado norte-americano.

A Áustria declara guerra à Sardenha e a França e desenvolve movimentos militares contra a unificação italiana, mas os austríacos são derrotados nem Magenta e Solferino. Parma e a Lombardia são cedidas à Sardenha.

Charles Darwin publica A origem das Espécies pela Selecção Natural.

Karl Marx publica Crítica da Economia Política.

Começam os trabalhos para a abertura do Canal do Suez.

 

1860

A sardenha cede Nice e Savoy à França.

Garibaldi forma os Camisas Vermelhas e toma Nápoles. O Rei Victor Emanuel invade os Estados Pontifícios e proclama-se Rei de Itália, com o apoio de Garibaldi.

Construção do porto russo de Vladivostok.

A França e o Reino Unido declaram novamente guerra à China. Tropas franco-britânicas invadem Pequim e incendeiam o Palácio de Verão. A guerra termina com o Tratado de Pequim.

Abraham Lincoln é eleito Presidente dos Estados Unidos.

Invenções várias são patenteadas: máquina de escrever, motor de combustão interna, etc.

Estabelecimento da Escola de Enfermagem de Florence Nightingale, em Londres.

 

1861

O Kansas torna-se o 34º estado norte-americano.

O Mississipi, a Flórida, o Alabama, a Georgia, o Louisiana, o Texas, a Virgínia, o Arkansas, a Carolina do Norte e o Tennessee juntam-se à Carolina do Sul e formam os Estados Confederados da América. Jefferson Davis torna-se Presidente da Confederação. Os confederados capturam Fort Sumter, na Carolina do Sul, detonando a Guerra da Secessão.

As forças confederadas ganham a batalha de Bull Run.

Forças russas ocupam Tsushima, no Japão.

O Reino de Itália é proclamado pelo Parlamento Italiano.

A cidade de Lagos, na África Ocidental, é anexada pelo Reino Unido, que aí fundam uma base para combate ao tráfico de escravos.

A Moldávia e a Valáquia juntam-se num novo país – a Roménia.

O czar Alexandre II abole a servidão na Rússia.

 

1862

Continua a Guerra Civil Americana. Os confederados vencem uma segunda batalha em Bull Run e confrontos em Chancellorsville e Shiloh. As forças da União saem vitoriosa em Antietam., Fort Henry e Fort Donelson. Os navios Merrimack, da Confederação, e Monitor, da União, protagonizam o primeiro combate naval entre couraçados.

O Presidente Lincoln decreta o fim da escravatura.

A França anexa Cochim, na China.

Garibaldi é capturado.

Otto von Bismark torna-se primeiro-ministro da Prússia.

Invenção da metralhadora, por Gatling.

Introdução do papel-moeda nos Estados Unidos.

 

1863

Continua a Guerra Civil Americana. Tropas da União vencem a batalha decisiva de Gettysburg e as batalhas de Vicksburg e de Chattanooga.

O Presidente Lincoln promete “um governo do Povo, pelo Povo e para o Povo”.

A Virgínia Ocidental separa-se da Virgínia e torna-se o 35º estado norte-americano. São criados os territórios do Arizona e do Idaho.

A Dinamarca anexa o Ducado de Schleswig. Em resposta, forças prussianas progridem até aos subúrbios de Holstein.

Tropas francesas ocupam a Cidade do México.

O Japão tenta expulsar os estrangeiros. Navios britânicos, em represália, bombardeiam o porto japonês de Kagoshima.

 

1864

Continua a Guerra da Secessão. Tropas da União progridem pelos estados do Sul.

O Nevada torna-se o 36º estado norte-americano e o Montana é declarado território.

A Prússia e a Áustria declaram guerra à Dinamarca, que cede as suas possessões de Schleswig e Holstein.

Enorme massacre de índios Arapahoes e Cheyennes em Sand Creek, Colorado.

O arquiduque Maximiliano, apoiado pela França, torna-se Imperador do México, mas enfrenta a oposição dos mexicanos.

Abraham Lincoln é reeleito Presidente dos Estados Unidos.

Louis Pasteur inventa a pasteurização e salva a indústria vitícola francesa.

Fundação da Cruz Vermelha Internacional, na Suíça.

 

1865

Termina a Guerra da Secessão com a derrota da Confederação. Os estados rebeldes do Sul voltam a fazer parte dos Estados Unidos da América.

O Presidente Lincoln é assassinado, sendo sucedido pelo Vice-Presidente Andrew Jackson.

A Convenção de Gastein entrega Holstein à Áustria e Schleswig à Prússia.

Os Estados Unidos pressionam a França a retirar do México.

A escravatura acaba formalmente nos Estados Unidos com a introdução da 13ª emenda à Constituição.

 

1866

A 14ª emenda à Constituição norte-americana assegura que nenhuma pessoa será privada da vida, da liberdade e da propriedade sem processo legal”.

A Prússia declara guerra à Áustria e anexa Holstein após derrota dos austríacos em Sadowa. Vários principados alemães são incorporados na Prússia.

Eclodem motins populares em Londres após o Parlamento Britânico recusar a aprovação de uma nova Carta de Direitos.

Mendel estabelece os princípios da hereditariedade, mas a sua obra permanecerá na obscuridade durante vários anos.

Pânico financeiro em Londres a seguir à falência de um banco.

 

1867

Os Estados Unidos compram o Alasca à Rússia.

O Nebraska torna-se o 37º estado norte-americano.

As tropas francesas abandonam o México. O Imperador Maximiliano é capturado e executado.

Garibaldi marcha novamente sobre Roma, mas é capturado pelas forças francesas e papais.

Os Fenianos irlandeses, que lutavam pela independência da Irlanda, desencadeiam acções terroristas na Irlanda, na Grã-Bretanha e na Austrália.

Alfred Nobel inventa a dinamite.

Joseph Lister introduz a assepsia nos actos cirúrgicos.

Karl Marx escreve o primeiro volume de O Capital.

 

1868

O Presidente Andrew Jackson é sujeito a um processo de impeachement.

Tropas britânicas invadem a Etiópia para libertar vários reféns, entre os quais o cônsul britânico, mas retiram de seguida.

A Rainha Isabel II de Espanha é deposta na sequência da revolução “La Gloriosa”. Inicia-se um período de instabilidade governativa, conhecido por Seiscénio Revolucionário, que só terminará com a ascensão de Alfonso XII ao Trono, em 1874.

Termina a ditadura militar dos shoguns no Japão. O Imperador Mutsuhito toma as rédeas do governo.

Ulysses S. Grant é eleito Presidente dos Estados Unidos.

Primeiro congresso inter-sindical em Manchester, Inglaterra.

 

1869

As mulheres conquistam o direito de voto no Wyoming.

O Imperador Napoleão III introduz um sistema parlamentar de governo, em França.

O Reino Unido, a França e a Itália assumem o controlo de Tunis.

A Union Pacific e a Central Pacific unem as suas ferrovias no Utah. O Leste e o Oeste dos Estados Unidos são ligados por via-férrea.

O Papa Pio IX convoca o Concílio Vaticano I.

Galton funda a genética.

Mendeleev publica a sua tabela periódica.

 

1870

A Prússia e a França entram num conflito diplomático por causa da sucessão ao Trono espanhol. A imprensa francesa instiga o governo de Napoleão III a declarar guerra à Prússia, o que este concretiza, apesar da renitência do Imperador. A Prússia vence várias batalhas e Napoleão III rende o Exército Francês em Sedan, a 2 de Setembro. Um novo governo francês declara a República. Paris é cercada pelos prussianos.

As forças francesas retiram de Roma, que se torna capital de Itália, conforme o desejo de Garibaldi.

A 15ª emenda à Constituição assegura aos antigos escravos o direito de voto nos Estados Unidos.

O dogma da infalibilidade do Papa é proclamado pelo Consílio Vaticano I.

A Áustria revoga a Concordata com o papado.

O Reino Unido impõe o ensino primário obrigatório universal.

A Standard Oil Company é fundada por John D. Rockefeller.

 

1871

O Rei Guilherme I da Prússia é proclamado Imperador (Kaiser) da Alemanha, em Versalhes. Bismark torna-se chanceler da Alemanha unificada.

Paris capitula. A Alemanha recebe da França a Alsácia-Lorena e compensações financeiras.

Proclamada a Comuna de Paris, depressa suprimida durante a “Semana Sangrenta”.

Louis A. Thiers é eleito primeiro presidente da III República Francesa.

O Rei Amadeu I, filho do Rei Victor Emanuel II de Itália, é proclamado Rei de Espanha pelo Parlamento espanhol. Os deputados esperavam que uma nova Dinastia fosse solução para os problemas de falta de governo que atravessava Espanha.

A colónia da Columbia Britânica torna-se uma província do Canadá.

O jornalista Henry Morton Stanley é enviado para encontrar o célebre explorador David Livingstone, desaparecido em África. O encontro ocorre perto do Lago Tanganyka e tornou célebre a frase “Dr. Livingstone, I presume!”

Um incêndio destrói grande parte de Chicago.

O túnel de Mont Cenis através dos Alpes Suíços é aberto, ligando a França à Itália.

Os sindicatos são legalizados no Reino Unido. Sob a pressão sindical, o direito a férias é introduzido.

 

1872

O Reino Unido introduz o princípio da votação secreta.

Um tribunal internacional reconhece aos Estados Unidos o direito a obter uma indemnização do Reino Unido devido à destruição provocada por um navio confederado de construção britânica, o Alabama, durante a Guerra da Secessão.

Os imperadores da Alemanha, da Áustria e da Rússia formam uma aliança.

Começa, nas Filipinas, uma rebelião contra a soberania espanhola.

As guerras Carlistas reavivam-se em Espanha. Dom Carlos, tio de Dona Isabel II, mantém a sua pretensão ao Trono espanhol.

Nos Estados Unidos, o Presidente Grant é reeleito.

Muybridge consegue obter fotografias “travadas” do movimento de um cavalo.

A França e o Japão adoptam o serviço militar obrigatório.

A ponte de Brooklyn, em Nova Iorque, é aberta.

 

1873

Resignação do Presidente francês, Louis Thiers. MacMahon é eleito Presidente de França.

Termina a ocupação prussiana de França, após terminar o pagamento das compensações de guerra da França à Alemanha.

Abdicação do Rei Amadeu I, incapaz de pacificar a Espanha, após o assassínio do seu mentor, o general Juan Prim. Proclamação da República Espanhola. Continuam as Guerras Carlistas.

A Alemanha adopta o Marco como moeda.

Pânico financeiro na Europa atravessa o Atlântico, originando a fuga de capital estrangeiro.

As cidades de Buda e Peste são unidas na nova cidade de Budaeste, capital da Hungria.

Os britânicos enfrentam a revolta dos Ashanti na África Ocidental.

 

1874

Os britânicos suprimem a revolta dos Ashanti, na África Ocidental.

A Islândia obtém da Dinamarca o direito a governo próprio.

Acaba a República Espanhola. O filho de Dona Isabel II é proclamado Rei, como Alfonso XII. Seria posteriormente alcunhado de “O Pacificador”, pois logrou pacificar o país-irmão. Mas a revolta Carlista continua.

O Reino Unido anexa as ilhas Fiji.

Annam, na Indochina, torna-se um protectorado francês.

Os japoneses ocupam a Formosa, mas retiram do território.

Hansen descobre o bacilo da lepra.

O estadista britânico Gladstone condena o dogma da infalibilidade do Papa.

O casamento civil torna-se obrigatório na Alemanha.

A Sociedade para a Prevenção da Crueldade sobre as Crianças é fundada em Nova Iorque.

 

1875

Os britânicos compram ao Egipto o Canal de Suez.

França adopta uma nova Constituição para a III República.

A revolta Carlista continua em Espanha, mas sofre severos reveses na Catalunha e em Valença.

Rebelião anti-espanhola em Cuba.

O Japão assegura à Coreia a sua independência da China.

Invenção da rotativa por Richard M. Hoe.

Fundação da União Postal Internacional, em Berna, na Suíça.

 

1876

O Colorado torna-se o 38º estado norte-americano.

O tenente-coronel George Custer e os seus homens são massacrados pelos índios Sioux na batalha de Little Big Horn.

A Bulgária revolta-se contra o domínio turco otomano. A feroz repressão turca aviva o ódio dos búlgaros, que se espalha aos restantes povos eslavos. A Sérvia e o Montenegro, formalmente ainda províncias otomanas, declaram guerra ao Império Otomano e a Rússia também ameaça fazê-lo.

Rutherford B. Hayes torna-se Presidente dos Estados Unidos, apesar de nas urnas o seu oponente, Jones Tilden, ter tido mais votos[1].

Alexander Graham Bell patenteia o telefone.

Robert Koch descobre o bacilo do Antrax.

Fundada, nos Estados Unidos, a Liga Nacional de Basebol. O desporto entra na era das massas.

 

1877

A rainha Vitoria é proclamada Imperatriz da Índia.

A Rússia e a Roménia também declaram guerra ao Império Otomano.

Os britânicos anexam o Transval, na África do Sul, e Walvis Bay, no Sudoeste Africano.

No Japão, é suprimida a rebelião do general Saigo Takamori.

Thomas Alva Edison inventa o fonógrafo.

A educação primária obrigatória é introduzida na Itália.

Primeiro torneio de ténis de Wimbledon.

 

1878

Os russos derrotam os turcos otomanos.

Os britânicos enviam uma frota para Constantinopla.

O Congresso de Berlim redesenha os Balcãs. A Roménia, o Montenegro e a Sérvia ganham a sua independência do Império Otomano. A Rússia toma posse da Bessarábia, no sudoeste da Ucrânia.

O Reino Unido apodera-se de Chipre.

O Reino Unido adverte o chefe zulu Cetawayo para não ameaçar a República Boer do Transval com a guerra.

Morre o Papa Pio IX. Sucede-lhe o Papa Leão XIII.

 

1879

Começa a Guerra Zulu na África do Sul. Os britânicos são derrotados em Isandhlwana, mas vencem os zulus nas restantes batalhas e capturam o chefe Cetawayo, o que faz terminar as hostilidades.

Os britânicos invadem novamente o Afeganistão após a legação britânica em Cabul ser massacrada.

O Reino Unido e a França assumem o controlo conjunto do Egipto.

Colapso da ponte de Tay, na Escócia, quando passava um comboio, durante uma tempestade, provoca 75 vítimas (todos os passageiros e tripulantes) e profunda comoção no Reino Unido e na Europa.

Thomas Alva Edison inventa a lâmpada eléctrica.

Demonstração de um comboio eléctrico, em Berlim, pelos irmãos Siemens.

 

 

1880

Intensificam-se os protestos irlandeses contra a soberania britânica.

O Transval declara-se independente de Inglaterra e proclama-se uma república, sob a liderança de Paul Kruger. Começa a Guerra dos Boers.

O Chile vence o Peru e a Bolívia na Guerra do Pacífico, anexando um vasto território boliviano com enormes recursos em nitratos. A Bolívia perde o acesso ao Pacífico.

James Garfield é eleito Presidente dos Estados Unidos.

Nova Iorque é a primeira cidade a ter iluminação eléctrica nocturna.

 

1881

James Garfield é assassinado quatro meses após a sua tomada de posse como Presidente dos Estados Unidos. O Vice-presidente Chester A. Arthur torna-se o 21º Presidente dos Estados Unidos.

Os boers derrotam as forças britânicas. O Reino Unido reconhece a independência do Transval.

A França invade Tunis, que se torna um protectorado francês.

O czar Alexandre II da Rússia é assassinado. O seu filho Alexandre III sucede-lhe.

Louis Pasteur desenvolve uma vacina contra o antraz.

Fundada a Federação Sindical Americana, primeira central sindical dos Estados Unidos.

O túnel de Gotthard, sob os Alpes suíços, é terminado. Foi até 1992 o mais longo túnel do mundo.

Um tsunami atinge a Indochina, matando, provavelmente, mais de 300 mil pessoas.

 

1882

Suspensa por dez anos, por lei, a imigração chinesa para os Estados Unidos.

A Coreia assina um tratado comercial com os Estados Unidos.

A insurreição irlandesa contra o domínio britânico continua. Os revoltosos Fenianos cometem vários assassinatos políticos.

Insurreições no Egipto contra o domínio franco-britânico. Navios franceses e ingleses bombardeiam Alexandria para controlar as insurreições. Forças britânicas ocupam o Cairo e restituem o controlo do Egipto ao Reino Unido e à França.

A Eritreia torna-se colónia italiana.

Robert Koch descobre o bacilo da Tuberculose.

Perseguição aos judeus na Rússia.



[1] Nos Estados Unidos, os eleitores elegem apenas os representantes dos seus estados ao colégio eleitoral que tem o poder electivo. Foi o mesmo sistema que deu, recentemente, a vitória ao presidente Bush (II) sobre Al Gore.