Morais, C. (1941)

MORAIS, Casimiro Augusto (1941). Lourenço de Anvers, Primeiro Impressor da “Gazeta” Cognominada da Restauração.

Autor: MORAIS, Casimiro Augusto de
Ano de elaboração (caso não coincida com ano de publicação)
Ano de publicação/impressão: 1941
Título completo da obra: Lourenço de Anvers: Primeiro Impressor da “Gazeta” Cognominada da “Restauração”. Subsídio para a História da Tipografia em Portugal, na passagem do Tricentenário da Sua Publicação 1641-1941
Tema PRINCIPAL: História do Jornalismo
Local de edição: Lisboa
Editora (ou tipografia, caso não exista editora): Separata do n.º 158 (Abril de 1941, Ano 14) da revista Indústria Portuguesa. Associação Industrial Portuguesa/Grémio Nacional dos Industriais de Tipografia e Fotogravura.
Número de páginas:
 23

Cota na Biblioteca Nacional e noutras bibliotecas públicas
Biblioteca: Biblioteca Nacional
Cotas: H.G. 16780//8 V.


Esboço biográfico sobre o autor

Casimiro Augusto de Morais nasceu no Porto, em 1892. Exerceu a profissão de compositor tipográfico. Escreveu, para além desta, uma obra sobre a tipografia de Gutemberg.


Índice da obra

1. Prefácio da direcção do Grémio Nacional dos Industriais de Tipografia e Fotogravura: 5-6
2. Prefácio de Alfredo da Cunha: pp. 7-8
3. A Gazeta “da Restauração” e o contexto da época: pp. 9-17
3. Obras impressas por Lourenço de Anvers e referências à sua vida: 17-21
4. Características gráficas da Gazeta: pp. 21-23


Resumo da obra

Esta obra sobre o impressor seiscentista Lourenço de Anvers interessa ao campo do jornalismo unicamente por relembrar a vida e obra desse que foi o impressor de vários números da Gazeta “da Restauração”, tendo impresso, nomeadamente, o primeiro número desta primeira publicação periódica portuguesa.

O autor evoca a Restauração, destacando vários dos opúsculos que, quando ocorreu, foram publicados sobre esse acontecimento. Ajuíza, assim, o autor que a tipografia concorreu para a “independência e consolidação de Portugal”.

Tal como Alfredo da Cunha, Casimiro Augusto de Morais rejeita a ideia de que as Relações de Manuel Severim de Faria possam ser consideradas uma gazeta. Mostra, com várias notícias da Gazeta, como esta reflectia os acontecimentos de que hoje temos conhecimento histórico.

No que respeita a Lourenço de Anvers, o autor lista as principais obras impressas por este impressor seiscentista, realçando ter sido ele o primeiro impressor da Gazeta. Diz que era flamengo e que, certamente, foi discípulo de Cristóvão Plantin, tipógrafo belga.

Sobre a características do material tipográfico usado na Gazeta, o autor diz que esta foi impressa em caracteres de tipo Elzevires, desenhado para a família de impressores e livreiros holandeses da qual foi cabeça Luís Elzevir por um pintor discípulo de Rubens, António Van Dick, nascido em Anvers, onde morreu, em 1641, com 42 anos. O autor explica, ainda, que as irregularidades tipográficas da Gazeta se devem à inexistência do ponto tipográfico quando a mesma foi publicada. Destaca, também, que nos finais de linha se colocavam abreviaturas para evitar a separação de palavras.

Para o autor, os números da Gazeta impressos na tipografia de Domingos Lopes Rosa são tipograficamente mais perfeitos do que os impressos por Lourenço de Anvers.

A obra é interessante também pelo prefácio de Alfredo da Cunha, pois este explica como se chegou à ideia de celebrar o tricentenário da publicação da Gazeta:

“Não será a mim [Alfredo da Cunha] (…) que se ficará devendo a ideia da comemoração do tricentenário do primeiro periódico português. Foi ela aventada em 1925 por outrem, numa folha da capital.
Pensara-se, porém, na celebração para Setembro de 1926 e relativamente a uma Relação de Manuel Severim de Faria – data e obra que não me pareceram as mais próprias para o fim proposto (…).
Não sei se as minhas objecções, reproduzidas numa entrevista que veio a lume na imprensa, foram ou não vãs. O que é um facto é que se desistiu da comemoração, cujo objecto, segundo me pareceu ter demonstrado, a não justificava.
Mais tarde, com a carta que dirigi ao (…) presidente da Comissão Executiva dos Centenários (…) renasceu a iniciativa da celebração, no corrente ano, do tricentenário da (…) primeira Gazeta (…).”


Autor da ficha bibliográfica: Jorge Pedro Sousa
E-mail do autor da ficha bibliográfica: jorgepedrosousa@gmail.com

Ċ
Jornalismo UFP,
01/06/2010, 11:05